O aço é um metal de extrema importância na nossa sociedade, que é utilizado em diversas aplicações na construção civil, indústria, setor automobilístico e até de utensílios domésticos.

Por meio de uma variedade de tratamento de recozimento, o componente é transformado nas usinas siderúrgicas de acordo com os projetos, agregando qualidade e resistência aos produtos.

Além disso, trata-se de um material que é totalmente reciclável, com características que permite a sua reutilização para a transformação da matéria-prima em outros produtos.

Uma vez que a produção de objetos, equipamentos, peças e estruturas em aço se tornam cada vez mais presentes no cotidiano, é importante entender o funcionamento dos principais processos de produção que envolvem o material.

1. Galvanização: processos a quente e a frio

A galvanização, também chamada de zincagem, é uma técnica que consiste na cobertura do metal com uma camada de zinco para garantir a proteção contra os efeitos da oxidação.

Na etapa final do processo de tratamento de superficie zincagem, é preciso que a peça seja imersa em zinco fundido à temperatura entre 445º e 460º. O ferro ou aço reagem com o zinco durante a imersão, formando um revestimento de proteção na peça metálica.

A qualidade da galvanização está relacionada à espessura da camada de zinco que irá se formar e aspectos como o controle da temperatura, velocidade e tempo de imersão e entre outras características da superfície que será revestida.

Importante lembrar, que a camada protetora também está suscetível a desgastes, o que torna a manutenção necessária, por isso é importante estar sempre de olho e fazer a manutenção preventiva.

Por conta de alguns riscos de contaminação, a galvanização a frio surge como uma alternativa para tornar o processo mais prático e menos agressivo ao meio ambiente.

Já a galvanização a frio é realizada por meio de reação química entre zinco e ferro, oferecendo proteção contra a corrosão. Entretanto, o processo a frio é feito com a aplicação de sprays ou pincéis, com tintas ricas em zinco.

Ambos os processos previnem o desgaste das peças metálicas, porem o segundo apresenta mais vantagens financeiras, logísticas e operacionais. A aplicação de tintas dispensa a necessidade de grandes infraestruturas e quantidades de energia para a galvanização.

2. Calandragem

As calandras são máquinas projetadas para curvar ou desempenar chapas de aço e metal. De uma maneira geral, o processo de calandragem de chapas é bastante tecnológico, contribuindo para reduzir custos com mão de obra e manutenções na fabricação de peças metálicas.

Pode-se encontrar calandras de chapas, de perfil, tubo e modelos especiais, realizando o curvamento com alta precisão. Geralmente elas são empregadas para a prensa e curvatura de peças metálicas, mas também existem equipamentos especializados em ilustrar, enrugar ou alisar papéis.

3. Soldagem

A solda é um processo de fabricação empregado para a união de dois materiais diferentes, que geralmente são metálicos. O processo é realizado por meio do derretimento dos metais, com outros adicionais, de maneira que as peças são unidas pelo ponto de fusão. Quando esfria, o material compõe uma peça única, sólida e rígida.

Com relação aos tipos de solda industrial, eles estão diretamente ligados à finalidade da montagem das peças e equipamentos. Desta forma, uma maquina de solda pode ser empregada para a realização dos seguintes tipos de procedimentos:

  • Soldagem a arco manual, que leva aço e aço inoxidável;
  • Soldagem TIG, que utiliza metais de qualidade elevada, como titânio;
  • Soldagem MIG, semiautomática, para aço, aço inoxidável e alumínio;
  • Soldagem a arco com arame tubular, para ligas metálicas;
  • Soldagem oxigás, usada para fundir metais de peças finas;
  • Soldagem com eletrodo revestido, utilizado em aço, principalmente.

Cada processo tem vantagens, indicações e funcionamento diferentes. Por isso recomenda-se a compreensão da atividade a ser realizada antes da escolha do equipamento mais adequado. Uma pesquisa e uma planejamento são muito importantes neste processo, dessa forma evitando problemas futuros

A inversora de solda se destaca, entretanto, devido ao fato de ser um equipamento compacto, fácil de transportar e utilizar. Enquanto isso, os transformadores de solda são equipamentos mais robustos, adequados para os ambientes de grandes metalúrgicas, serralherias e oficinas, que exigem máquinas mais resistentes.

Por meio de processos como a galvanização, a calandragem e a solda, os produtos em aço se fazem presentes do cotidiano, com processos industriais complexos e interligados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *