Atualmente, as indústrias brasileiras estão na era da Revolução Industrial 4.0, aquela responsável pela criação de fábricas inteligentes que englobam a internet das coisas, sistemas ciberfísicos e computação em nuvem.

Todos esses nomes criados na indústria estão intrinsecamente conectados ao conceito de automação industrial, que pode ser definida como a junção e aplicação de tecnologias de softwares, hardware e equipamentos específicos em processos produtivos.

O principal objetivo da automação nas indústrias é implantar projetos que sejam capazes de aumentar a autossuficiência nos procedimentos de fabricação e, consequentemente, reduzir ao máximo o esforço humano na cadeia produtiva.

Interface homem máquina

Com toda a evolução tecnológica nas fábricas, a interação entre as pessoas e as máquinas também foram modificadas e transformadas.

Com isso, os comandos passaram a ser realizados de forma mais simples, prática e ágil. Para que isso fosse possível, foi desenvolvido o painel IHM – Interação Homem Máquina.

Como o próprio nome diz, esses painéis foram desenvolvidos para aprimorar e simplificar a comunicação entre a máquina e seu operador.

Assim, essas interfaces de comunicação variam muito no mercado, podendo ser aplicadas até para controlar plantas nucleares na tela de um celular.

Nos processos de fabricação e produção é possível encontrar três modelos de IHM, sendo elas:

  • Substituta de botoeiras;
  • Coleta e tratativa de dados;
  • Supervisão.

Cada interface tem uma função e objetivo, porém todas facilitam o processo de controle, gestão e condução das máquinas automatizadas nas cadeias produtivas de todos os setores industrias.

Utilizando máquinas e sistemas automatizados

Antes de alcançar os resultados e processos automatizados, ocorreu uma evolução que teve início no final do século XIX, no qual as máquinas passaram a realizar os movimentos repetitivos na construção de peças e equipamentos.

A partir da década de 1970 os computadores comerciais passaram a ser utilizados para gerenciar o controle das máquinas que, em pouco tempo depois, foram substituídos pelo Controlador Lógico Programável (CLP).

Já no final dos anos 1990 a tecnologia havia tido uma grande evolução, dessa forma foi possível tornar os processos mais eficientes, velozes e confiáveis, originando:

  • Redução de custos;
  • Aumento da produtividade;
  • Aumento da segurança técnica;
  • Otimização do tempo;
  • Otimização de espaços.

Nos dias de hoje os processos de automação estão bem evoluídos, entretanto alguns processos menos automatizados ainda são utilizados. Isso ocorre porque, em algumas situações, principalmente da construção civil, o processo humano faz toda diferença no resultado final do produto.

Equipamentos e serviços essenciais

A plataforma elevatória é um exemplo de automação que revolucionou o mercado e continua sendo usada em muitos momentos.

O objetivo é conduzir pessoas e materiais em áreas que o acesso é restrito ou por serem muito estreitos, ou irregulares ou muito altos ou todos esses elementos juntos.

Além disso, por serem máquinas, elas suportam a elevação de cargas maiores e mais pesadas, diminuído o tempo de execução da obra e facilitando o processo de transporte de matérias, antes realizados manualmente em menor quantidade e maior tempo.

Um tipo de plataforma usada com frequência é a ponte rolante, sendo um equipamento de elevação projetada e desenvolvida de acordo com a necessidade do projeto.

Assim como as máquinas automatizadas, esse equipamento melhora o processo produtivo tornando-o mais prático, rápido e ágil. Por serem equipamentos utilizados com frequência, a manutenção de ponte rolante é necessária e essencial para o seu melhor funcionamento e prevenção de acidentes.

Indo para área de sistemas automatizados, podemos elencar o inversor de frequência. Na prática esse é um sistema responsável por controlar e variar a frequência e tensão que é fornecida a um motor e tem como objetivo regular a velocidade e a potência consumida.

O inversor de frequencia está hoje presente na maioria dos maquinários, aprimorando o funcionamento da força e desempenho dos motores e máquinas de uma forma geral.

Mesmo com todas as evoluções, a indústria ainda funciona muito por meio da energia elétrica, por isso é uma parte que precisa ter uma atenção e manutenção preventiva de forma constante, ou seja, aquela que inspeciona a fim de evitar danos e imprevistos.

Isso porque o conserto de gerador de energia é um processo simples, mas o impacto gerado pela falta de energia é alto bem como o prejuízo ao processo produtivo e para as fábricas de uma maneira geral.

No entanto, é preciso contar com esses itens caso haja problemas no fornecimento tradicional de energia.

Assim, mesmo com a automação sendo cada vez mais evoluída e utilizada em todos os setores industrias, a interação e o processo humano são essenciais ao processo produtivo e a qualidade do serviço ou produto oferecido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *